7 de set de 2013

Resenha: Extraordinário

No começo desse ano uma garota gringa postou no Instagram a foto de um livro que a capa era tão bonitinha que eu resolvi pesquisar pra ver se tinha o livro no Brasil (eu não sei vocês mas eu sou dessas que julga um livro pela capa - se é legal eu tô comprando) e pra minha felicidade já havia a versão em português. Fiz até um post no blog dizendo que queria comprá-lo, mas meio que desisti. Até que em Abril meu namorado se comoveu com a minha cara de alegria quando vi o livro numa livraria e então me deu de presente. Foi aí que tudo começou.
Editora Intrínseca, 360 páginas.

Logo nas primeiras linhas da primeira página de Extraordinário eu tive a leve impressão de que estava lendo um livro infantil: a narrativa era super simples e as frases um pouco curtas. Isso se explica pois quem conta a história é um garotinho de 10 anos, chamado Augustus Pullman. Ele seria uma criança "comum" se não fosse uma doença rara que o atingiu numa estatística de 1 em cada 4 milhões de pessoas, causando uma terrível deformidade em seu rosto. O engraçado é que em momento algum no livro há uma descrição exata de como é o rosto do Auggie. Logo, esse é um trabalho pra sua imaginação.
A primeira coisa que fez eu me encantar pelo livro foi justamente o que no início eu mais estranhei: a simplicidade. Nunca imaginei que uma história contada em palavras tão simples fosse me desarmar completamente e me descontrolar em lágrimas.
Por ter essa deformidade na face, o Auggie nunca frequentou uma escola. Na verdade ele quase nunca frequenta lugar algum, já que onde quer que ele vá as pessoas se espantam e fazem comentários sobre o rosto dele. E foi aí que eu comecei a me identificar com o livro... Quantas vezes eu fui motivo de piada pras outras garotas na escola? Quantas vezes eu estava na rua e alguém riu de mim por causa da minha magreza, do meu cabelo, das minhas roupas? Não era preciso ter o rosto deformado pra saber como aquele garotinho se sentia... era só olhar pra trás e me lembrar de quando EU era uma garotinha. Eu já fui um Augustus na vida. E não é fácil ser diferente num mundo em que todas as pessoas são iguais.

"Você não consegue se esconder quando nasceu para se destacar."

Outra coisa pela qual eu fiquei fascinada foi a narrativa: apesar da sua maioria ser em 1ª pessoa, o livro intercala a narrativa do personagem entre os outros envolvidos na história, o que me fez desejar que todos os livros do universo fossem escritos assim. A autora R. J. Palacios foi simplesmente brilhante ao ter essa idéia. É sensacional ler o Auggie contando sobre quando ele começa a frequentar uma escola regular e então um belo dia acaba escutando seu melhor amigo falando mal dele, daí chega em casa e vai chorando pra mãe. E oito páginas adiante você se depara com a versão da história contada pelo melhor amigo dele, e fica muito irritada quando descobre como o Auggie entendeu tudo errado sobre o que tinha acontecido. E depois ainda tem a versão da mãe, em que você simplesmente sente vontade de dar um super abraço apertado nela depois de ver o quanto aquela mulher é forte por suportar a vida que tem. Pra cada versão da história o seu sentimento pelo personagem muda completamente, uma hora ódio, outra pena, depois amor. Do mesmo modo que é na nossa vida, acredito. Ou seja, pra cada história contada por um personagem você fica se mordendo de curiosidade pra saber a versão dos envolvidos nos fatos, e isso vai te prendendo a atenção cada vez mais.
Apesar do Augustus ter todos os problemas que tem, em nenhum momento a autora transpassa a idéia dele ser um coitadinho por ele ser "deficiente", "deformado" ou qualquer outra característica que o costumam impôr. Muito pelo contrário. Ela te faz ver que não importam os problemas e as dificuldades que a gente tem, nada é motivo pra se usar de desculpa e justificar nossas ações miseráveis. Todos somos limitados em alguns aspectos da vida e temos que aprender a conviver com isso. 


Acredito ter lido esse livro em no máximo 3 dias e foram os três dias mais sentimentais numa leitura que eu consigo me lembrar. Extraordinário não foi o livro mais triste que eu já li, nem o mais legal. Extraordinário foi o livro mais lindo que eu já li em toda a minha vida. O mais simples e também aquele que mais me tocou, e eu acho que pro resto da vida vou me lembrar do quanto eu me emocionei com uma história contada por um garotinho de apenas 10 anos. Sei que eu demorei muito tempo pra conseguir escrever sobre ele por aqui no blog, mas não foi por preguiça... é que simplesmente não sabia como me expressar. Mas agora acho que consegui.

Espero que vocês tenham gostado.

E aqui o Booktrailer pra deixar quem ainda não leu morrendo de vontade:




Beijos e um ótimo sábado!



8 comentários:

  1. Parece ser um ótimo livro!
    Ei, lembra que você disse que não achava uma meia 7/8? Então, fui procurar um DIY e é bem fácil: http://vodkafeatme.blogspot.com.br/2013/07/diy-meias-78.html ♥ ♥ Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Ai Van tu se expressou tão bem que deu até vontade de ler <3
    Muito legal, acho que muitas de nós já passamos por essa situação.
    Adorei a frase "Você não consegue se esconder quando nasceu para se destacar."

    Beijos lindona

    ResponderExcluir
  3. Livros com narradores infantis sempre me fazem chorar! Esse livro parece ser lindo!
    Você soube expressar muito bem a história e o que você sentiu ao ler o livro Vanessa...
    Meu Filme virou Livro

    ResponderExcluir
  4. Nossa, não sabia que existiam book trailers!! O.o
    E gostei de saber sobre esse livro, vc se expresou muito bem.

    ResponderExcluir
  5. Agora estou procurando um site que venda este livro! pfvr pq fez isso comigo? hahaha vc demorou,mas se expressou muuuito bem <3

    ResponderExcluir
  6. Ai que vontade de ler esse livro depois de tudo isso que você escreveu! Realmente, se olharmos pra trás, podemos nos enxergar nesse menino. Realmente fiquei encantada com tudo!
    E eu não sabia que existia booktrailers! Eu vou até ver se tem de outros livros KKKKK

    Amei seu blog, beijos!
    Garotas Comuns

    ResponderExcluir
  7. A história me lembrou um pouco As vantagens De Ser Invisivel...
    Ai Vanessa, já é o segundo livro que você me deixa com vontade de ler, desse jeito vou pedir auxilio de custo pra você

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  8. Se antes eu já queria ler esse livro, agora eu quero mais ainda! Adorei a resenha ♥♥

    ResponderExcluir

Feel free to leave your message!
Obrigada pela visita e volte sempre ♥